Oeste: Diagnóstico  de Situação
 
Demografia
 
O Oeste tem vindo a beneficiar de uma dinâmica populacional mais forte do que a média nacional, num contexto em que a proximidade e polarização exercida pela AML se reflectem no crescimento populacional mais intenso de três concelhos da sua área de influência (Alenquer, Arruda dos Vinhos e Sobral de Monte Agraço).

• O Oeste apresenta uma rede urbana policêntrica em que sobressaem 4 pólos populacionais de maior dimensão (Torres Vedras, Alcobaça, Caldas da Rainha e Alenquer) que representavam em 2005, quase dois terços da população total da região e, por outro, uma rede de aglomerados urbanos de menor dimensão.

• A seguir ao Baixo Vouga, o Oeste e o Baixo Mondego posicionam-se como as NUTS III com maior densidade populacional da região Centro.

• Apenas Cadaval e Óbidos apresentam densidades populacionais mais reduzidas, ao contrário dos restantes concelhos que se apresentam mais alinhados com a média do Oeste.

Densidade populacional e dinâmicas de crescimento da população residente
 

O Oeste exibe um crescimento populacional claramente positivo, entre 2001 e 2005. Esta evolução positiva assenta sobretudo na dinâmica da componente do saldo migratório, que em alguns concelhos compensa saldos naturais negativos.

Componentes da evolução populacional 2001-2005

• O aumento da população (acima das mil pessoas) registado nos concelhos de Torres Vedras, Alenquer, Arruda dos Vinhos e Caldas da Rainha, deve-se à conjugação dos efeitos positivos nas componentes do saldo migratório e fisiológico.

• Nos restantes concelhos, o efeito de atração justificado pelo saldo migratório positivo, é suficiente para explicar o aumento da população, mas não é suficiente para eliminar o efeito de envelhecimento nestes territórios.

• Nazaré é o único concelho do Oeste que apresenta uma diminuição da população, perdendo, entre 2001 e 2005, cerca de 249 pessoas, situação relativamente alarmante uma vez que conjuga valores negativos para o saldo natural e migratório.
 

Densidade
 

  Fonte: INE, Estimativas Provisórias de População Residente (2005)
 
 
Decomposição da taxa de crescimento populacional 2001-2005: componente natural e migratória


O efeito da componente natural do crescimento influencia de forma pouco intensa o as movimentações populacionais do Oeste, sendo o sinal negativo desta parcela largamente compensada por uma atração líquida de população oriunda de outros concelhos e regiões.

• A região do Oeste revela-se, globalmente, como receptor líquido de população, destacando-se apenas o posicionamento isolado do concelho da Nazaré que regista uma taxa de crescimento efectivo negativa (-1,7%), materializando comportamentos desfavoráveis das componentes migratória e natural.
 
 

in Estudo Técnico elaborado por Augusto Mateus e Associados – Sociedade de Consultores, Oeste – Programa Territorial de Desenvolvimento 2008-2013, Abril 2008, pág. 196 e 197